50 MIL CRISTÃOS PRESOS EM CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO NA CORÉIA DO NORTE


50 mil cristãos presos em campos de concentração na Coreia comunista

CORÉIA DO NORTE - Apelo das ONGs: "Liberdade religiosa e libertação de 50 mil cristãos", mobilização na internet

Nova York (Agência Fides) - Deter os crimes contra a humanidade, pleno respeito pelos direitos humanos, proteção da liberdade religiosa: é o apelo lançado pelas Organizações não-governamentais de inspiração cristã como "Christian Solidarity Worldwide" (CSW) e "Open Doors", ao novo líder da Coréia do Norte, Kim Jong-un. As duas ONGs trabalham para a defesa da liberdade religiosa no mundo e promovem projetos de assistência às comunidades cristãs que sofrem.

"Open Doors", com sede nos EUA, publica a cada ano uma classificação dos países baseada no respeito pela liberdade religiosa, onde a Coreia do Norte é "camisa preta". Hoje, conforme revela uma nota enviada à Agência Fides, a ONG organizou uma mobilização na internet, através de redes sociais e blogs, para chamar a atenção internacional para a questão da liberdade religiosa na Coreia do Norte, país em que mais de 50 mil cristãos estão presos nos campos de concentração.

"Open Doors" convida o novo líder a "por fim ao ciclo desumano da ditadura" e espera que "exista um aumento da oportunidade de anunciar Jesus, sem medo de punições, para aqueles que estão tristes e se sentem incertos em relação ao futuro."

No convite de plena liberdade religiosa, Open Doors espera que "os cristãos coreanos obtenham nova determinação e sabedoria", para que "no dia de Natal a luz de Cristo penetra em cada casa e cada coração na Coreia do Norte" a fim de restaurar a esperança a uma nação hoje oprimida e faminta.


Atualmente, observa a "Korean Church Coalition for North Korea Freedom" na Coreia do Norte existem várias "comunidades cristãs subterrâneas" e "missionários clandestinos" que, se pegos, são executados publicamente.

Num relatório enviado à Fides, CSW insta o regime norte-coreano "a fechar os campos de prisioneiros, deter as execuções, respeitar a liberdade religiosa e libertar todos os presos de consciência", convida a comunidade internacional "a pressionar a fim de promover essas mudanças". CSW lembra que "mais de 200 mil pessoas estão

FONTE: http://www.domluizbergonzini.com.br/2012/01/50-mil-cristaos-presos-em-campos-de.html
Postado por Dom Luiz Gonzaga Bergonzini